Sabemos que o atendimento jurídico está mudando. Podemos auxiliar nas decisões do seu negócio.

FALE COM O CONSULTOR

Notícias

Justiça decide que empresa deve indenizar trabalhadora que era apalpada quando era revistada no trabalho

categoria:

A Quarta Turma do Tribunal Superior do Trabalho negou provimento a agravo de instrumento da Tess Indústria e Comércio Ltda. contra condenação ao pagamento de indenização por danos morais a uma ex-empregada que se sentia constrangida pelas revistas realizdas ao fim do expediente. Ela alegou que era humilhada com ofensivos apalpes na cintura.

O Tribunal Regional do Trabalho da 13ª Região (PB), que arbitrou a indenização em R$ 3 mil, justificou a decisão afirmando que a prática cotidiana de revista de bolsas, com exposição de objetos pessoais e com abertura de casacos, levantamento das barras das calças e apalpação eventual, extrapola os limites do poder diretivo do empregador, porque viola a intimidade dos trabalhadores. A decisão está respaldada pelo artigo 5º da Constituição Federal e pelo artigo 186 do Código Civil.

Em sua defesa, a empresa alegou que a revista era generalizada e impessoal, por isso não se tratava de situação humilhante. No entanto, o Regional observou que outros mecanismos de fiscalização poderiam ser empregados, a exemplo do circuito interno de TV, que inibe furtos e evita a violação do patrimônio da empresa.

TST

A Subseção 1 Especializada em Dissídios Individuais tem decidido que a revista em pertences do trabalhador realizada de forma impessoal, sem que haja contato físico nesse procedimento, não caracteriza ato passível da necessária reparação civil. Porém, diante da comprovação do contato físico, está qualificado o abuso do direito de fiscalização, acarretando violação à dignidade do trabalhador.

O relator do agravo, desembargador convocado José Ribamar Oliveira Lima Júnior, asseverou que apalpar o funcionário durante as revistas extrapola os limites da razoabilidade.

A decisão foi unânime, e já transitou em julgado.

Processo: AIRR-219200-95.2013.5.13.0024

Fonte: Tribunal Superior do Trabalho

Rubens Andrade Advogados – uma advocacia de negócios! São diversas áreas de atuação do direito para pessoas e empresas. Advogados ao seu dispor!

Notícias relacionadas:

Tratativa de acordo para pagamento coletivo suspende execução de ação individual

22/09/14

A Seção Especializada em Execução (SEEx) do TRT da 4ª Região manteve decisão de primeira inst...

Rejeitada ação sobre honorários ajuizada após homologação de acordo judicial

14/07/14

A Sétima Turma do Tribunal Superior do Trabalho negou provimento a recurso de uma trabalhadora que,...

Gravidez anterior à contratação não impede estabilidade

14/04/14

A trabalhadora que estiver grávida no momento da demissão tem direito à estabilidade provisória,...

Fale com um consultor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *