Sabemos que o atendimento jurídico está mudando. Podemos auxiliar nas decisões do seu negócio.

FALE COM O CONSULTOR

Notícias

Justiça proíbe que Banco do Brasil cobre por tarifa de boleto

O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul determinou que o Banco do Brasil deixe de cobrar tarifa pela emissão de boleto bancário. O banco também deverá depositar R$ 2 milhões no Fundo de Defesa de Direitos Difusos, vinculado ao Ministério da Justiça, como uma espécie de indenização por desrespeitar o consumidor.

 

O banco terá de substituir boletos que já estão nas mãos dos consumidores com a tarifa por outros sem o encargo. O BB também deverá arcar com os custos de publicar a decisão nos jornais.

 

A decisão vale para todo o país. O banco poderá recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF).

 

Em nota, o Banco do Brasil diz que “aguarda a publicação do acórdão para avaliar as medidas judiciais cabíveis”.

 

Encargo deve ser do banco, diz desembargador

 

A decisão foi tomada com base em uma ação movida pela Defensoria Pública do Rio Grande do Sul. A Defensoria entrou com a ação coletiva depois de receber reclamações de clientes.

 

A ação já tinha sido julgada procedente pela juíza Laura de Borba Maciel Fleck, da 16ª Vara Cível do Foro Central de Porto Alegre. O banco entrou com recurso, mas o desembargador Carlos Cini Marchionatti, da 20ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, confirmou a sentença.

 

Para o desembargador, a cobrança do boleto é abusiva porque transfere ao consumidor um encargo que deveria ser do banco, uma vez que se trata de um custo operacional.

 

“É direito do consumidor, não lhe podendo ser imputado o ônus para obtenção disso, justamente por se tratar de custo operacional da instituição financeira”, diz o desembargador na sentença. Para ele, a tarifa é “mais um artifício para compensação de perdas com a redução da taxa de juros nos empréstimos bancários”.

 

Órgãos de defesa do consumidor já consideram a cobrança ilegal com base no Código de Defesa do Consumidor e em uma resolução de 2009 do Banco Central.

 

Fonte: UOL Economia

 

Saiba mais sobre assessoria e consultoria jurídica! A Rubens Andrade Advogados é um escritório de advocacia empresarial de Juiz de Fora (MG) e Belo Horizonte (MG) com profissionais especialistas em diversas áreas do direito. Agende uma visita conosco!

Notícias relacionadas:

Estabelecimento é proibido de promover eventos por poluição sonora

28/07/14

Em decisão unânime, foi negado provimento a um recurso interposto por A.S.C. contra sentença para...

Santander é condenado em R$ 500 mil por não observar jornada de trabalho

28/04/14

A Subseção I Especializada em Dissídios Individuais (SDI-1) estendeu a todo o território naciona...

Banco indenizará cliente por cobrança indevida em débito automático

24/03/14

O Banco Bradesco foi condenado a pagar indenização de R$ 10 mil, por danos morais, e R$ 1.534,62, ...

Fale com um consultor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *