Sabemos que o atendimento jurídico está mudando. Podemos auxiliar nas decisões do seu negócio.

FALE COM O CONSULTOR

Notícias

Vivo é condenada por não comunicar acidentes à Previdência Social

categoria:

Empresa terá que pagar R$ 600 mil por condicionar emissão de CAT à comprovação da relação entre os acidentes e o exercício da profissão.

 

A concessionária de telefonia fixa Telefônica Vivo foi condenada pelo Tribunal Regional do Trabalho (TRT) de Campinas (SP) ao pagamento de R$ 600 mil por dano moral coletivo. A empresa foi processada por não comunicar acidentes de trabalho à Previdência Social. A decisão foi proferida pela 2ª Turma do TRT e mantém sentença da 1ª Vara do Trabalho de Bauru, em junho de 2011. A ação civil pública foi movida pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) na cidade. A decisão é válida em todo do território nacional. A Vivo pode recorrer ao Tribunal Superior do Trabalho (TST).

 

Segundo inquérito do procurador José Fernando Ruiz Maturana, autor da ação, a empresa deixava de emitir a Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT) se não houvesse provas de que a lesão ou acidente de trabalho tivesse relação direta com a atividade exercida pelos empregados. “Nesse caso há uma subnotificação das doenças para fins estatísticos da Previdência Social, e isso é uma prática irregular. A empresa não quer o reconhecimento dos riscos ocupacionais no meio ambiente de trabalho”, afirma o procurador.

 

Segundo o artigo 22 da Lei 8.213/1991, a empresa deverá comunicar o acidente de trabalho à Previdência Social até o primeiro dia útil seguinte ao da ocorrência. A legislação não dá margem para questionamentos.  “(…) O fato de emitir CAT não implica, forçosamente, a concessão do auxílio-doença acidentário, pois compete ao órgão previdenciário o estabelecimento do nexo causal”, escreveu a juíza relatora Regina Dirce Gago de Faria Monegatto.

 

A decisão obriga a empresa a emitir Comunicações de Acidente de Trabalho sem que haja a verificação de nexo causal, sob pena de multa de R$ 5 mil por dia de descumprimento. A decisão é válida em todo do território nacional.

 

Processo: 0162100-98.2007.5.15.0005

 

Fonte: Ministério Público do Trabalho em Campinas

Notícias relacionadas:

O dano moral decorrente de corpo estranho em alimentos

10/11/14

Mulher encontra corpo estranho no produto que havia comprado. Entenda como proceder nesses casos.

Empresa é condenada por propaganda enganosa de creme redutor de medida

27/10/14

A juíza de Direito da 9ª Vara Cível de Brasília condenou a empresa Four Business a pagar dano mo...

Dispensado às vésperas do nascimento do filho é indenizado

08/10/14

Foi condenado, por unanimidade, a Locanty Com Serviços Ltda. ao pagamento de R$ 50 mil, a título d...

Fale com um consultor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *